Pular para o conteúdo

Instituto Federal do Rio Grande do Sul

Instituto Federal do Rio Grande do Sul
Início da navegação
Nossos CampiMapa do Rio Grande do Sul com marcações nas cidades onde o IFRS está presente.
 Esconder/Mostrar Menu Fim da navegação
Início do conteúdo

Estudantes e servidores criam soluções de tecnologia assistiva em 72 horas


Foram 72 horas ininterruptas de aprendizado e trabalho em equipe. Ao final, os participantes do primeiro Desafio Criativo do IFRS transpareciam cansaço, mas também entusiasmo e agradecimento por terem participado de uma experiência que marcará suas vidas como estudantes, profissionais e cidadãos.

Com o tema Tecnologia Assistiva, o Desafio ocorreu de quarta-feira, 21 de novembro de 2018, até sábado, dia 24. Nesse período, 28 estudantes de cursos de Ensino Médio Integrado e 23 servidores foram instigados a ter contato e vivenciar dificuldades enfrentadas por pessoas com necessidades específicas. Depois, divididos em quatro equipe, colocaram a cabeça e as mãos para funcionarem, pensando e criando um dispositivo que possa auxiliar a superar uma das dificuldades. Mais de 600 ideias de possíveis tecnologias assistivas surgiram na fase inicial, conta Anderson Yanzer, Chefe de Departamento de Pesquisa e Inovação. Mas cada grupo teve de escolher uma para desenvolver.

As atividades começaram no Campus Porto Alegre, onde os grupos contaram com o apoio e os equipamentos do POALab, como a impressora 3D. Eles passaram a noite no Campus, revezando trabalho com momentos de descanso em colchonetes nas salas de aula. Na sexta-feira, seguiram para o Campus Bento Gonçalves, para integrarem-se ao 3º Salão de Pesquisa, Extensão e Ensino do IFRS, e também conhecer e utilizar o maquinário do Centro de Tecnologia Assistiva (CTA) da instituição.

Uma experiência desafiadora e também inovadora, que em vez da competição, teve como formato principal a colaboração. Não houve premiações além do aprendizado, das vivências e das amizades que acabaram sendo feitas depois de 72 horas de convivência.

“Resumiria a experiência como um misto de exaustiva e incrível. Vivenciamos momentos surpreendentes e nos vimos fazendo coisas que jamais imaginávamos que seríamos capazes”, declara a intérprete de Libras Fabiane Mello, do CampusRio Grande, uma das participantes. Ela explica que aprenderam conceitos e metodologias de inovação e criatividade e agora levam para os campi esse conhecimento e esse “novo olhar de colaboração e criatividade”.

Para o estudante Maurilio Quadros da Rosa, do segundo ano do curso Técnico em Informática do Campus Osório, o aprendizado e a possibilidade de utilizar as tecnologias do POALab e do CTA estão entre os fatos mais marcantes da experiência. E o aluno William Fernandes, do segundo ano do Técnico em Multimídia, do Campus Vacaria, conta que passou a prestar muito mais atenção nas tecnologias assistivas e na acessibilidade dos locais por onde passa.

As criações das quatro equipes foram demonstradas para os 900 participantes do 3º Salão do IFRS na tarde de sábado. Os grupos apresentaram vídeos com imagens dos momentos de trabalho e explicaram as tecnologias assistivas produzidas: um dispositivo para complementar a aprendizagem em Braille de forma lúdica; um piso tátil de alto contraste para auxiliar pessoas com baixa visão a identificar quando o sinal de pedestres está aberto para atravessar a rua; um suporte de telefone celular que estabiliza o aplicativo de lupa e facilita a leitura para pessoas com baixa visão; e um mural virtual que fornece informações e recados para surdos. Os inventos ficarão no CTA, para serem aprimorados e poderem, futuramente, auxiliar a comunidade acadêmica.

O pró-reitor de Ensino do IFRS, Lucas Coradini, destacou que o Desafio foi um exemplo de indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão e um exercício de alteridade, por ter levado os participantes a experimentarem o lugar do outro. “O nível de envolvimento dos estudantes foi emocionante”, complementou.

A aluna Brenda Pacheco, do Campus Rio Grande, falou em nome dos participantes do Desafio durante o encerramento. Brenda agradeceu a oportunidade, que considerou cansativa, mas enriquecedora: “A gente não se conhecia, então discutimos bastante, e produzimos algo tão importante para a vida de outras pessoas.”

Os vídeos produzidos pelas equipes serão disponibilizados na aba Ensino do site do IFRS nos próximos dias.


Fim do conteúdo
Início do rodapé Fim do rodapé