Início do conteúdo

Núcleo de Ações Afirmativas


Inscreva-se em nossas atividades virtuais!

 

Aguarde as próximas atividades…

 

DOCUMENTOS

 

Regulamento NAAf – IFRS – campus Vacaria

Portaria Nº 145/2019 – Composição NAAf

 

Relatório de atividades – 2016 – 2019

 

 

Nota de Repúdio aos ciberataques ocorridos em atividade sobre temática étnico-racial no Campus Restinga do IFRS

 

Na tarde do dia 8 de julho, em atividade pedagógica por webconferência realizada pelo IFRS – Campus Restinga, denominada “Roda de Conversa: como funciona o racismo, um olhar de moradores da Restinga”, houve a interferência de um grupo organizado de pessoas manifestando linguagem ofensiva, de cunho racista e sexual. Essas pessoas tinham notoriamente o intuito de cercear o debate acadêmico que ocorria com mais de 60 participantes.

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS), por meio desta Nota Oficial, manifesta total repúdio a essa prática desrespeitosa e criminosa, e presta sua solidariedade aos organizadores e participantes do evento por esta injustificável ocorrência.

Aproveitamos para reafirmar o compromisso institucional com a promoção de um ambiente educacional plural, diverso, democrático e inclusivo que, em hipótese alguma, pode ser confundido com a expressão de discursos de ódio. Os debates sobre a temática étnico-racial são imprescindíveis para a construção de uma sociedade mais justa e equânime, fazem parte dos princípios fundantes do Projeto Pedagógico Institucional e estão em perfeito alinhamento com a missão e valores do IFRS. Ataques como esse só demonstram a importância de aprofundarmos ainda mais as reflexões sobre o combate ao racismo e fortalecermos os trabalhos desenvolvidos por nossos Neabi, NAAf e Assessoria de Relações Étnico-raciais do IFRS.

Informamos, por fim, que todas as medidas legais estão sendo tomadas para coibir e responsabilizar os autores dessa deplorável ação, nas esferas cabíveis.

 

JÚLIO XANDRO HECK

Reitor do IFRS

 

Link para a publicação original: https://ifrs.edu.br/nota-de-repudio-aos-ciberataques-ocorridos-em-atividade-sobre-tematica-etnico-racial-no-campus-restinga-do-ifrs/

 

ATAS DE REUNIÕES – 2019

 

Ata nº 01/2019

Ata nº 02/2019

Ata nº 03/2019

Ata nº 04/2019

 

 

APRESENTAÇÃO

 

Os Núcleos de Ações Afirmativas – NAAfs do IFRS são setores propositivos e consultivos constituídos nos campi em implantação para mediarem e congregarem as ações de inclusão, acessibilidade, raça, etnia, gênero e sexualidade em um único espaço.
No campus Vacaria, o NAAf vincula-se à coordenadoria de Extensão e é composto por servidores e estudantes, bem como podem participar familiares e, ou representantes da comunidade externa, sendo a coordenação de responsabilidade de um servidor efetivo, na condição de presidente, e de um secretário, bem como seus respectivos suplentes.

No contexto do Campus Vacaria, observa-se a dualidade entre as possibilidades e os desafios nesta realidade: de um lado vê-se um grande investimento, inclusive, financeiro na área da educação técnica, tecnológica e graduação, com a construção do Campus indicando uma expansão com abrangência social e econômica para a região, e de outro lado, não menos importante, a grande demanda apresentada pelos discentes, haja vista que o processo de expansão é acompanhado pela ampliação de vagas, mudanças do perfil dos discentes atendidos e, consequentemente, de um processo de construção de alternativas metodológicas e organizativas, próprias de um sistema educacional inclusivo.

 

 

As ações de inclusão e acessibilidade tem por objetivo de atender discentes com necessidades especiais, tendo em conta que pelo menos 5% das vagas devem ser reservadas para este seguimento social. Pode-se destacar:

A implantação de estratégias de inclusão, permanência e saída exitosa para o mundo do trabalho de Pessoas com Necessidades Especiais (PNEs);
Articular os diversos setores da Instituição nas atividades relativas à inclusão, definindo prioridades; Buscar parcerias com entidades de atendimento de PNEs;
Incentivar e/ou realizar pesquisa e inovação no que tange à inclusão de PNEs; Promover na comunidade acadêmica e instrumentalizar servidores para a quebra de barreiras arquitetônicas, de comunicação e atitudinais.

Embora essas diretrizes estejam em fase de implementação, algumas ações já se fazem presentes por meio do atendimento realizado por profissional do Serviço Social. Pode-se citar:

  • Atendimento, orientação e acompanhamento intersetorial e interdisciplinar individualizado e familiar de PNE;
  • Identificação e articulação da rede pública e privada para atendimento especializado;
  • Instrumentalização de docentes para o atendimento às necessidades específicas do aluno.
  • Técnicas de ensino-aprendizagem, avaliação, adaptação curricular etc.

 

No Campus de Vacaria, as ações voltadas à raça e etnia apresentam-se como um serviço relevante para implantação, uma vez que, em torno de 25% da população se autodeclararam negros, pardos e índios, embora nesta última categoria apenas 76 pessoas se autodeclararam índios. Dados de 2010, extraídos do IBGE Cidades. Seguem as diretrizes:

  • Promover encontros de reflexão e capacitação de servidores para o conhecimento e valorização da história dos povos africanos, da cultura afro-brasileira e da cultura indígena, na constituição histórica e cultural do país;
  • Promover a realização de atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão, relacionadas a temática;
  • Propor ações que levem a conhecer o perfil da comunidade interna e externa dos Campus nos aspectos étnico raciais;
  • Auxiliar na implementação das leis que estabelecem a cultura afro-brasileira e indígena como pontos de estudo e atividades no currículo escolar;
  • Buscar a implementação de projetos de valorização e reconhecimento dos sujeitos negros e indígenas no contexto dos Campus;
  • Possibilitar o desenvolvimento de conteúdos curriculares, extracurriculares e pesquisas com abordagem multi e interdisciplinares sobre a temática de forma contínua;
  • Colaborar em ações que levem ao aumento do acervo bibliográfico relacionado a educação plurimétrica no Campus;
  • Organizar espaços de conhecimento, reconhecimento e interação com grupos étnico raciais;
  • Revisar documentos dos Campus, sempre buscando a inserção e atualização dos mesmos no que compete as questões étnico raciais;
  • Propor e participar de eventos de outras instituições, como também de movimentos sociais que envolvam questões relacionadas a cultura afro brasileira e indígena.

 

Ações relativas à gênero e sexualidade:

  • Contribuir na elaboração de políticas, Programas, Ações e/ou Atividades que envolvam as temáticas relacionadas a Corpo, Gênero, Sexualidade e Diversidade no campus;
  • Assessorar e consultor à Coordenadoria de Assistência Estudantil do campus, em situações ou casos que envolvam essas temáticas;
  • Estudo e produção científica sobre as temáticas do Núcleo a fim de contribuir para este campo de conhecimento e para os currículos dos cursos ofertados;
  • Articular os diversos setores da Instituição por meio de ações relacionadas a gênero e sexualidade, definindo prioridades, aquisição de equipamentos, materiais didático-pedagógicos a serem utilizados nas práticas educativas e ações de ensino, pesquisa e extensão.
  • Participar das políticas de ensino, pesquisa, extensão e gestão para compor o planejamento da Instituição no que se refere ao atendimento, aconselhamento e acompanhamento de pessoas que em função de gênero e/ou sexualidade que se encontram em vulnerabilidade social, cultural e/ou educacional.
  • Discutir a importância dos movimentos sociais na luta contra as desigualdades sociais, com ênfase nas desigualdades de gênero;
  • Conhecer e debater junto à comunidade escolar e local sobre as Leis que tratam da união civil de pessoas de mesmo sexo, cirurgias de redesignação sexual e alterações no nome de travestis, transexuais e transgêneros;
  • Fomentar discussões sobre Doenças Sexualmente Transmissíveis, sintomas e tratamentos, em parceria com Secretarias Municipais de Saúde e órgãos afins;
  • Opinar sobre questões pertinentes que lhe forem encaminhadas, e que envolvam a temática de estudo e pesquisa do núcleo;
  • Desenvolver atividades de conscientização e minimização da violência doméstica.

Última atualização em 19/10/2020

Fim do conteúdo