Início do conteúdo

Projetos e Programas de Extensão


Este Campus é seu!

Caren Rejane de Freitas Fontella

O projeto de extensão Este Campus é seu! tem como objetivo agendar visitas e receber escolas e instituições que queiram conhecer a estrutura, os cursos e as oportunidades oferecidas no Campus Restinga. A solicitação de agendamento pode ser realizada através do formulário: http://bit.ly/visitasifrestinga. Os organizadores do projeto entrarão em contato para confirmar data e horário da visita.

Contato: visitas@restinga.ifrs.edu.br

 

Contamores

Gabriela Fontana Abs da Cruz

Contamores: Grupo de Contadores de Histórias do Campus Restinga é um projeto que teve início em 2015, a partir de um curso de formação de contadores de histórias, do qual surgiu um grupo de voluntários que promoveu a hora do conto na ala pediátrica do Hospital Restinga e Extremo Sul. Em 2016 e 2017, o projeto ampliou, e o grupo passou a visitar escolas da região para contar histórias e realizar oficinas com estudantes (de diferentes idades). Com o intuito de continuar essa trajetória, em 2018, este projeto visa à continuação das visitações às escolas e à oferta de oficinas de curta duração a interessados em atuarem como contadores de histórias. Dessa forma, pretende-se incentivar o gosto pela leitura, ampliar o conhecimento sobre diversos tipos de histórias, como contos populares regionais, nacionais e estrangeiros, lendas e mitos indígenas e africanos e contos de fadas (em suas diferentes versões).

Contato: contadores.historias@restinga.ifrs.edu.br

 

Curso de Inglês Nível Básico I

Gabriela Fontana ABS da Cruz

Ofertar, gratuitamente, cursos de língua inglesa de nível básico I à comunidade interna e externa ao campus, possibilitando a continuidade do aprendizado em níveis subsequentes de cursos que serão ofertados em semestres posteriores.

 

Curso de Inglês Nível Básico III

Fernanda Knecht

Ofertar, gratuitamente, cursos de língua inglesa de nível básico à comunidade interna e externa ao campus, possibilitando a continuidade do aprendizado em níveis subsequentes de cursos que serão ofertados em semestres posteriores.

 

Inclusão Digital e Acessibilidade na Escola Municipal de Educação Especial Tristão Sucupira Vianna

Pedro Chaves da Rocha

Com os bons resultados obtidos e divulgados em Seminários e Mostras, este projeto é um trabalho contínuo de ações anteriores visando a inclusão social através da acessibilidade e inclusão digital. Sempre buscando prover acesso em ambientes físicos e virtuais, autonomia, independência e qualidade de vida a todos aqueles que, em função da deficiência ou dificuldade, sintam-se alijados das práticas sociais e/ou acadêmicas. Nesse contexto, busca-se difundir os benefícios já obtidos com os projetos de Habitação Universal e Desenvolvimento de Produtos de Tecnologia Assistiva no IFRS – Campus Bento Gonçalves e expandidos para os demais campi. Habitação Universal: esta ação pretende quebrar barreiras arquitetônicas existentes nos campi do IFRS. O desenvolvimento de Produtos de tecnologia assistiva visa confeccionar recursos já construídos dentro do grupo de pesquisa e apoio da instituição (NAPNE). Estas atividades serão expandidas para mais escolas Especiais da rede Municipal de Porto Alegre, além da escola Especial Tristão Sucupira, vinculada a este projeto. O presente projeto, também visa pesquisar novos softwares e produtos que possam auxiliar as PNEs (Pessoas com Necessidades Educacionais Específicas) desta instituição. Neste contexto continuam os estudos com o uso do Tablet, vocalizador (Go Talk), Teclado Intellikey e Kinect como ferramentas de inserção e inclusão digital acompanhados de orientação pedagógica para pessoas com deficiência, através da aplicação e do desenvolvimento de aplicativos para estas tecnologias.

 

Criação e implementação do Laboratório de Educação Matemática no Campus Restinga

Diana Veja Marona

Em rede nacional vem aumentando a discussão sobre as falhas de ensino-aprendizagem em matemática.Todos os anos, a criação de novas provas, gincanas e olimpíadas vêm sendo divulgadas a pleno vapor. Ao se procurar a origem e justificativas destas atividades todas são unânimes: “a melhoria na qualidade do ensino de matemática”. Para os estudiosos da área, o Laboratório de Educação Matemática (LEM) tem papel fundamental para que esta melhoria ocorra. Segundo Rêgo, 2006, o papel do LEM é contribuir para melhoria do ensino, “promovendo a integração das atividades de ensino, pesquisa e extensão” (RÊGO; RÊGO, 2006, p.41). Este projeto visa a criação e implementação do laboratório no IFRS, campus Restinga, tendo em vista que o espaço destinado para este fim, foi entregue no inicio das atividades docentes do ano corrente. Com a existência deste espaço, alcançaremos a tão sonhada indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão nas diferentes atividades de matemática do nosso campus. Pretendemos ofertar inúmeras oficinas, oriundas e sugeridas por docentes, técnicos e alunos. A utilização de materiais manipulativos e softwares específicos traz uma grande melhoria na qualidade do ensino de matemática. Será também possível utilizarmos junto a comunidade externa, para isto planejamos nos unir ao projeto “IF NOS ESPERA (registrado sob o Sigproj nº272364.1344.176353.20052017)”, que prepara para nosso processo seletivo os alunos das escolas municipais e estaduais do entorno. Com este espaço implementado, tornaremos as oficinas de preparação para OBMEP (Olímpiadas Brasileiras de Matemática), antes ministrada via ensino por atingir somente nossos estudantes, aberta aos demais estudantes da comunidade.

 

RestingArte: A arte do bairro Restinga

Caren Rejane de Freitas Fontella

O projeto de extensão RestingArte: A arte da Restinga é um espaço de oportunidade de reflexão a partir da arte e cultura produzida por um grupo de estudantes do Campus Restinga. Esse grupo de estudantes integra o Grupo Teatral Sem Nome, que divulga as temáticas presentes na comunidade e na sua vida educacional a partir de apresentações de teatro, música, entre outras formas. As ações afirmativas estão presentes nas discussões e implantação de espetáculos por esse grupo. O Grupo Teatral Sem Nome, abordou durante o ano de 2017, diversos temas visto como ‘tabus’ pela sociedade e pela comunidade da Restinga. Por meio das apresentações culturais, o grupo desconstruiu padrões e normas pré-estabelecidas sobre gênero, minorias, violência, amor, família, entre outras temáticas. Através da linguagem artística-cultural, que engloba principalmente o teatro, esse grupo de estudantes conseguiu uma maior visibilidade ao bairro Restinga e as produções desenvolvidas pela comunidade. O grupo possui como objetivo principal divulgar a arte a cultura do bairro. Como objetivos específicos o grupo pretende: Promover no público a reflexão sobre questões sociais; despertar o encantamento pela arte e cultura; realizar oficinas; divulgar o Campus Restinga e o bairro; desfazer o imaginário de criminalidade existente em relação ao bairro; resgatar a arte na comunidade.

 

Agroecologia no IFRS Campus Restinga: Construindo o solo para produzir alimentos

Jovani Zalamena

Hortas/pomares comunitários são espaços de produção coletiva da agricultura urbana, onde trabalham famílias oriundas do meio rural e outras que desejam participar do projeto de produção, educação ambiental, geração de renda, diminuição de desperdício e aproveitamento integral dos alimentos. Surgem como alternativa para a ocupação benéfica de terrenos em áreas urbanas e para a produção de alimentos, sendo instrumento e forma de ação social voltada a enfrentar as situações emergenciais de fome que afetam os chamados grupos vulneráveis. Tais iniciativas são criadas e desenvolvidas com o propósito de garantir a segurança alimentar para estas famílias, atender a qualidade de vida das pessoas e gerar renda. Os resultados obtidos em hortas comunitárias no país têm sido satisfatórios por atenderem o mercado com produtos naturais de boa qualidade. Os alimentos são cultivados de forma comunitária, com uso de tecnologias de base agroecológica, em espaços públicos urbanos e periurbanos. Neste contexto, propõe-se a organização de uma horta e pomar comunitários no IFRS-Campus Restinga envolvendo servidores, discentes e comunidades e respeitando o tripé Ensino/Pesquisa/Extensão da instituição. Mas para isso ser realizado, inicialmente será preciso desenvolver práticas de manejo do solo que melhoram suas propriedades físicas, químicas e biológicas, a fim de deixá-lo adequado à produção. A experiência aqui proposta pretende fortalecer os laços comunitários entre os participantes, a valorização das redes de economia solidária e favorecer a segurança alimentar. Além disso, vai ao encontro das atividades realizadas no âmbito do Proeja em Agroecologia, recentemente aprovado no IFRS Restinga.

 

Nós podemos discutir corpo, gênero e sexualidade na Restinga

Tatiana Teixeira Silveira

O presente projeto pretende desenvolver ações de extensão integradas ao ensino da Educação Física no nível de Ensino Médio Técnico/IFRS e também na integração das pesquisas realizadas pelo Grupo do IFRS nomeado “Educação Física e a Educação Profissional”. O projeto intitulado “Nós podemos discutir corpo, gênero e sexualidade na Restinga” pretende ser um espaço onde os(as) estudantes, professores e professoras, técnicos-administrativos e profissionais terceirizados(as) do Campus Restinga, além da comunidade externa possam usufruir das discussões sobre gênero, sexualidade e sobre o corpo na atualidade. Essas atividades funcionarão sob a orientação da equipe executora do projeto e é uma das ações do Programa de extensão Feminismo na Restinga: a insurgência de mulheres na periferia.

 

Elaboração de produtos de limpeza ecológicos

Luciano Gomes Furlan

A implicação da prática da sustentabilidade e a inovação em busca de soluções aos problemas ambientais tornam-se um dos maiores desafios da atualidade. Neste contexto, este projeto tem como objetivo capacitar mulheres, das comunidades carentes vizinhas ao Campus Restinga, para a elaboração de produtos de limpeza alternativos, de forma a contribuir para a economia doméstica, empreendedorismo, geração de renda e diminuição dos impactos ambientais gerados pelos resíduos domésticos, como o óleo de cozinha usado.

 

IFConserta

Bruno Canal

A falta de um espaço onde os estudantes e a comunidade possa desenvolver suas habilidades práticas de eletrônica acaba por dificultar o desenvolvimento desta área. Por outro lado hoje temos uma redução de custos atingindo as instituições de ensino federais. Tendo em vista estes dois norteadores o esta proposta visa a organização de um espaço de atividades de desenvolvimento de experiências técnicas e profissionais. Trata-se da disponibilização de um espaço do IFRS campus Restinga com ferramentais para a manutenção de equipamentos eletroeletrônicos, no qual será possível desenvolver encontros para treinamentos sobre técnicas de manutenção, consulta de fornecedores, levantamento orçamentário. Estes encontros ficam fomentados pela necessidade que alguns cursos do IFRS possuem de realizar simples manutenções em seus equipamentos, mas devido a burocracia e a redução de custo estes equipamentos estão em desuso aguardando manutenção. Este espaço portanto trará treinamentos que serão aplicados sobre estes equipamentos e poderá ser utilizado pela comunidade externa e estudantes do IFRS, que pretendam aprimorar, compartilhar e demonstrar suas competências técnicas prestando serviços a comunidade e ainda auxiliar na manutenção de equipamentos dos diversos campi do IFRS que estão em desuso em virtude da falta de manutenção. Neste espaço os participantes do projeto ainda poderão utilizar os equipamentos, ferramentas e materiais de consumo disponibilizados para fazer um levantamento dos defeitos dos equipamentos pessoais e/ou de terceiros a fim de diagnosticar o problema e realizar a manutenção necessária.

 

Ação e inclusão: Vivências da diversidade no campus Restinga

Gisele Oliveira Fraga do Nascimento

O presente projeto destina-se à consolidação e continuidade das atividades em parceria com o NAPNE Restinga e à execução de ações para educação inclusiva, tanto na perspectiva do acompanhamento e colaboração das atividades da comunidade escolar, quanto no desenvolvimento de produtos e equipamentos de tecnologia, visando a contribuir com o ensino às pessoas com necessidades educacionais específicas . Para contemplar os aspectos da discussão e fomento desta temática na Instituição, serão organizadas atividades como seminários e apresentação de projetos sobre educação inclusiva, tal qual vem sendo desenvolvido desde 2012 através de cursos, oficinas e do Seminário de Educação e Diversidade. Em 2013 foram adquiridos equipamentos para implantação do Laboratório de Tecnologia Assistiva, também incorporado nas atividades do NAPNE, tendo atuação também da Pesquisa.

 

Observatório Astronômico da Restinga

Fausto Kuhn Berenguer Barbosa

As iniciativas de divulgação científica em Astronomia no Brasil são feitas por meio de projetos de visitação a observatórios astronômicos, planetários, museus e clubes de astronomia. O presente projeto pretende desenvolver atividades de divulgação científica em astronomia, oferecendo atividades de observação astronômica complementadas pelo uso de planetário virtual. Pretendemos com isso, aproximar a população da Restinga e bairros vizinhos, do ambiente de divulgação científica. As observações serão feitas no observatório da escola usado um telescópio de 5 polegadas quando o céu não estiver encoberto e nos outros dias usaremos o planetário virtual stellarium. As atividades acontecerão semanalmente nas noites das segundas-feiras. Os visitantes preencherão formulários de avaliação com questões que nos ajudarão a avaliar sua experiência com o projeto. As respostas aos questionários serão usadas para aprimorar o projeto, gerar novos saberes e publicações a respeito da extensão como forma de divulgação científica.

 

IF Nos Espera

Felix Nicolai Delling

O curso IF nos espera tem por objetivo auxiliar na formação de estudantes da comunidade externa, oriundos de escolas estaduais e municipais, que visam cursar seu ensino médio no Instituto Federal Campus Restinga. Sendo realizado nas dependências do campus, ministrado por estudantes de licenciatura e tecnologo da rede federal de ensino, os estudantes terão reforço, até dezembro do presente anos, nas áreas de ciências humanas, ciências da natureza, matemática e língua portuguesa, visando aprovação na prova do processo seletivo.

 

Tessituras: formação de mediadores para programas de leitura

Gabriela Fontana ABS da Cruz

O curso de extensão universitária “Tessituras: formação de mediadores para programas de leitura”, parceria do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologiado rio Grande do Sul com a Câmara Rio-Grandense do Livro, ocorre de março a julho, com carga horária de 40h, dividida em dez encontros, às segundas-feiras, das 14h às 18h, no auditório da Livraria Paulinas (Rua dos Andradas, 1212, Centro – Porto Alegre), apoiadora da ação de extensão. Os temas dos encontros, sempre relacionados com a atuação do mediador de leitura em diferentes espaços, como a sala de aula, a biblioteca (pública, comunitária, escolar), leitura ao ar livre, são escolhidos a partir de sugestões dos participantes, encaminhadas em avaliação entregue no fim do curso, e de indicações da Comissão Organizadora. Em cada encontro, nos 30min iniciais, um participante do curso compartilha com o grupo um relato de experiência relacionado a sua prática como mediador e com o tema abordado naquele dia.

 

Adaptação curricular e produção de material didático em Libras na/com Escola Bilíngue

Jessie Ortiz Marimon

O presente projeto tem por finalidade atender às demandas da comunidade escolar surda de uma escola de educação bilíngue para surdos da cidade do Rio Grande-RS e, nesse sentido, objetiva promover a (re)construção das práticas docentes e a produção de materiais didáticos específicos para surdos a fim de qualificar o processo educativo e, contribuir para a construção de um currículo cultural e pedagogicamente autônomo do currículo ouvinte. Nesse projeto serão considerados os saberes experienciais dos professores que atuam nesse contexto de ensino bem como, o feedback dos aluno surdos sobre os materiais produzidos. Apresentará como materialidade a construção de um livro ilustrado da disciplina de História.

 

Curso de Libras nível intermediário

Jessie Ortiz Marimon

Este projeto visa atender às determinações legais da Lei de Libras que, entre outros aspectos, busca apoiar o uso e a difusão da Libras de modo a garantir a acessibilidade social das pessoas surdas usuárias da língua brasileira de sinais. Desse modo, esse projeto objetiva ensinar aspectos gramaticais da Libras que permitam a comunicação entre surdos e ouvintes. O curso será estruturado em 2h/a organizadas em um encontro semanal totalizando 40h/a ao final do curso, sendo 32h/a presenciais e 08 h/a de ensino a distância. Serão apresentadas aprofundados aspectos gramaticais básicos da Libras com foco nas Expressões de quantificação e intensidade – adjetivação. Descrição/ Narrativa Básica; Derivação e flexão em Libras; sintaxe espacial;classificadores; tipos de verbo; referência dêita e anafórica. Ao final do curso, espera-se que o aluno saiba localizar, movimentar, configurar e expressar os sinais da Libras corretamente possibilitando, assim, a comunicação entre surdos e ouvintes.

 

Curso de Libras nível básico para ouvintes

Jessie Ortiz Marimon

Este projeto busca apoiar a divulgação e a vitalidade da Libras- Língua Brasileira de Sinais, reconhecida pela Lei 10.436/2002 como língua da comunidade surda brasileira. Em razão disso, esse projeto objetiva ensinar aspectos gramaticais e culturais da Libras e da cultura surda para ouvintes que queiram aprender a se comunicar em Libras para assim, diminuir as barreiras linguísticas existentes entre surdos e ouvintes garantindo maior acessibilidade social das pessoas surdas à informações e serviços. Para tanto, esse projeto prevê a produção de materiais gráficos impressos e vídeos que auxiliem na aprendizagem e na divulgação da Libras para ouvintes. O curso será estruturado em 3h/a organizadas em um encontro semanal totalizando 60h/a ao final do curso, sendo 44h/a presenciais e 16 h/a de ensino a distância. Serão apresentadas as regras gramaticais básicas da Libras com foco nos parâmetros necessários para a realização de um sinal (item lexical da Libras), alfabeto manual, numerais, saudações e vocabulário básico de Libras. Ao final do curso, espera-se que o aluno saiba localizar, movimentar, configurar e expressar os sinais da Libras corretamente possibilitando, assim, a comunicação entre surdos e ouvintes.

 

Fórum sobre a política nacional de saúde LGBT

Maurício Polidoro

Trata­sse  de  uma  ação  de  extensão  interinstitucional  que  envolverá  o  Coletivo  LGBT  da  Saúde  Coletiva  da  UFRGS, o programa de extensão Observatório da Comunidade do IFRS RESTINGA e a Secretaria de Saúde do Estado do Rio Grande do Sul, por meio da coordenadoria estadual de saúde da população LGBT e o Instituto  Federal  do  Rio  Grande  do  Sul.  As  instituições  envolvidas  acreditam  que a  redução  da  violência  perpetrada  à população LGBT, considerando também a interseccionalidade de raça­cor, e o desconhecimento sobre a Política Nacional de Saúde  Integral  LGBT  são  impeditivos  da redução  das  iniquidades  e  da  promoção  da  qualidade  de  vida  dos  grupos populacionais em tela. Nesse sentido a ação de extensão visa envolver a comunidade com essas questões na tentativa de fortalecer a alteridade e uma cultura de paz.

 

(Programa) Feminismo na Restinga: a insurgência de mulheres na periferia

Tatiana Teixeira Silveira

Este programa de extensão intitulado Feminismo na Restinga: a insurgência de mulheres na periferia será um espaço de diálogo, aproximação e de trocas, entre mulheres que criaram formas de resistir no passado e continuam resistindo através de espaços como a liderança comunitária e de instituições que promovem a igualdade de gênero neste bairro, mediante as discussões dos feminismos contemporâneos. Para esse intento embasaremos nossas abordagens em estudos realizados dentro dos IF’s, em estatísticas que envolvem as mulheres e em estudos teóricos dos feminismos. O objetivo geral do programa é: Proporcionar ações educacionais que abordem, em uma perspectiva crítica, a temática feminista na Restinga, envolvendo a comunidade acadêmica, mulheres líderes comunitárias, mulheres terceirizadas do serviço de limpeza do Campus e a comunidade do bairro em nossas ações. Para alcançarmos este objetivo desenvolveremos as seguintes ações coletivas de formação feministas: I) Projeto de Extensão Nós podemos discutir corpo, gênero e sexualidade na Restinga; II) Grupo de estudos sobre feminismos; III) Oficinas feministas; IV) Cursos; V) Elaboração de materiais didáticos/informativos; VI) Capacitação de educadores/educadoras; VII) Implantação de um Centro de Memória das Mulheres da Restinga e VIII) Evento sobre feminismos e interseccionalidade.

 

(Programa) Despertar

Carine Ivone Popiolek

O Programa Despertar tem como objetivo principal estimular e fomentar o empreendedorismo no IFRS Campus Restinga, o que será realizado através de projetos e ações que contribuam para o desenvolvimento interpessoal, reforçando as competências empreendedoras, assim como aproximação com o mundo do trabalho. O programa está estruturado em quatro linhas principais de ação: (1) desenvolvimento de competências empreendedoras, (2) experiências práticas (aprender fazendo), (3) aproximação com o mundo do trabalho, (4) inovação nos processos de ensino-aprendizagem, gerando conhecimento sobre a abordagem da temática do empreendedorismo e sua integração na formação dos alunos e relação com a comunidade. As ações vinculadas ao programa tem caráter transversal e podem ter forma de projeto, evento, curso de capacitação ou visita técnica e podem ser realizadas em parceria com a Prefeitura Municipal de Porto Alegre, SEBRAE, a incubadora Social e Tecnológica do Campus Restinga e voluntários com atuação na gestão de instituições ou projetos, que podem ser empresariais ou socioambientais. O Programa de extensão está articulado com ações de ensino, ao dialogar com os componentes curriculares e possibilitar a participação dos docentes na proposição de iniciativas. Também se articula com a pesquisa, a partir das reflexões oriundas da análise das atividades, que deve embasar iniciativas de pesquisa ou em sinergia com projetos existentes, como o Em(A)preendendo e a instalação do FabLab no Campus, que chama-se InovaLab@Restinga.

(Programa) Ciranda de Ensinagens

Helen Rodrigues Cardoso

O Programa de Extensão CIRANDA DE ENSINAGENS tem como objetivo proporcionar aos docentes e interessados no estudo dos fundamentos pedagógicos um espaço de reflexão, discussão, troca de experiências, planejamento e qualificação da prática pedagógica. Compõe-se, inicialmente, de sete ações diferenciadas, integradas e complementares: 1) PROJETO ‘IFCINE: REVISITANDO PRÁTICAS PEDAGÓGICAS A PARTIR DO CINEMA’: espaço de reflexão e discussão sobre diferentes aspectos dos processos de ensinagens, a partir de obras cinematográficas e discussão com convidados especialistas. 2) EVENTO ‘II SEMINÁRIO DESAFIOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO SÉCULO XXI’: com o objetivo de socializar boas práticas pedagógicas realizadas na Educação Básica, o Seminário terá a segunda edição em 2018. 3) PROJETO DIVERLER: promove a leitura entre os estudantes dos anos finais do ensino fundamental, do ensino médio e dos docentes através de encontros em que a leitura seja tratada como Lazer. Pretende a integração entre a formação de docentes, a experienciação de estratégias de incentivo à leitura e a leitura como lazer. 5) PROJETO GOTAS DE PEDAGOGIA: propõe discutir os fundamentos pedagógicos, de forma dinâmica, em encontros de 1h30. 6) GRUPO DE PESQUISA: “NÚCLEO DE ESTUDOS SOBRE PROCESSOS DE ENSINAGENS” – NESPE. Espaço de incentivo, discussão, disseminação e aproximação da pesquisa de processos de ensinagens e dos docentes de Anos Finais e do Ensino Médio. 7) SITE: forma de aproximação das discussões teóricas dos docentes, utilizando-se da tecnologia ao alcance de todos.

 

Acesse aqui para consultar os projetos de anos anteriores.

Fim do conteúdo