Pular para o conteúdo
Logo do IF

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Início da navegação
IFRSMarca do Instituto Federal do Rio Grande do Sul
 Esconder/Mostrar Menu Fim da navegação
Início do conteúdo

Projeto do Campus Veranópolis do IFRS leva aulas de informática ao Presídio Estadual de Nova Prata


Promover a qualificação como uma forma de incentivar a cidadania e a mudança de vida foi um dos principais objetivos do projeto Re-integr@ação – Informática para Pessoas Privadas de Liberdade, promovido pelo Campus Veranópolis do Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS). Por meio da iniciativa, foi realizado um curso de informática básica gratuitamente no Presídio Estadual de Nova Prata, no período de junho a agosto de 2018.

As aulas foram ministradas em notebooks oriundos de doação, que seriam descartados por serem obsoletos para os cursos regulares do Campus. A fim de deixá-los em condições de uso, a turma de alunos do curso Técnico em Informática subsequente ao ensino médio recuperou os equipamentos.

O coordenador do Re-integração, professor Marcos Corino, explica que a constatação da baixa escolaridade, falta de qualificação e poucas oportunidades aos privados de liberdade motivou o projeto, buscando contribuir para amenizar esses problemas. “Levamos até eles conhecimento técnico de informática, inclusão digital e a oportunidade de melhorar as chances quando em liberdade, para que não reincidam no mundo da criminalidade, possam exercer sua cidadania e aumentar as oportunidades de se inserir no mundo do trabalho.”

Nas aulas, foram trabalhadas de forma prática a informática básica e suas aplicações como operação de sistemas operacionais, edição de texto, planilhas eletrônicas e apresentações digitais. Inicialmente, havia 12 estudantes, mas devido a solturas, transferências e desistências, foram sete concluintes.

“A oportunidade de desenvolver esse projeto para a educação de pessoas privadas de liberdade foi única. No decorrer das aulas, os alunos questionaram qual tinha sido minha reação ao ser comunicado de que deveria ir ao presídio e dar aula para bandidos (termo dito por eles) e se eu não tinha medo ou receio. Respondi explicando que o curso havia sido minha iniciativa e eu estava ali para ajudá-los a crescer e melhorar como cidadãos, para que pudessem ter mais chances do lado de fora”, conta o professor.

A renovação do convênio está em tratativas com a administração do presídio. A intenção é ofertar mais duas turmas de informática básica, uma masculina e uma feminina, além de uma turma de manutenção de computadores.


Fim do conteúdo
Início do rodapé Fim do rodapé