Início do conteúdo

2019


Segurança Alimentar, Cooperação e Agroecologia em Comunidades Mbyá-Guarani de Viamão-RS

  • Coordenador: Claudio Fioreze
  • Edital IFRS Nº 79/2018 – Registro de ações de extensão – Fluxo Contínuo 2019
  • As comunidades Mbya Guarani do Canta Galo e de Itapuã, em Viamão, possuem 42/22 famílias numa área de 270 ha, sendo a maior parte desta área de vegetação nativa. A média de área de cultivo por família é de apenas 0,20 ha. No local há unidade de saúde e uma escola estadual de ensino fundamental e médio, a qual busca articular os saberes indígenas com a cultura geral. Cultivam diversos alimentos tradicionais, como milho, feijão, batata doce, aipim, amendoim, e um pouco de frutíferas e aves. A renda provém basicamente da comercialização do artesanato e políticas sociais (bolsa família). A dieta, porém, é pobre em sais minerais, proteína e vitaminas. Desde 2016, se começou a produzir hortaliças com assistência da Emater, para subsistência, alimentação escolar (PNAE) e alguma renda suplementar. Porém , ainda há limitações e não há cooperação como a conhecemos para a comercialização e consumo. Além disso, a comunidade demanda sempre melhorias do solo, que está bastante desgastado, para ampliar a qualidade da produção, em especial daquelas famílias interessadas em produzir para sua dieta, para alimentação escolar local e eventuais feiras de produtores. Também se quer incrementar a mata nativa via sistemas agroflorestais, enriquecendo a mata com espécies como a erva-mate (para consumo próprio) e taquara (para o artesanato). A produção agroflorestal se apresenta como uma alternativa sustentável, em especial num contexto de fragilidade nutricional e de poucos recursos para investimento e custeio da produção. A cooperação de base agroecológica é vital para a segurança alimentar indígena. O Bolsista desenvolverá as ações para viabilidade do projeto: – Conhecer a cultura Guarani em termos de produção agropecuária de alimentos, seu modo de cultivo, as limitações de solo e água, o modo de processamento, de consumo e de comercialização; – Desenvolver ações de cooperação entre os indígenas sem afetar seus valores culturais, valorizando a cultura colaborativa e respeitosa entre eles e a harmonia cultivada na relação com a natureza, agregando conhecimentos para que os indígenas possam dar um passo adiante em termos de comercialização, consumo e comércio justo.

 

Formação Continuada em Cooperação na Tekoa Jata’ ity/Viamão-RS – 2019

  • Coordenador: Neilo Marcio da Silva Vaz
  • Edital IFRS Nº 79/2018 – Registro de ações de extensão – Fluxo Contínuo 2019
  • O projeto Formação Continuada em Cooperação na Tekoa Jata’ ity/Viamão-RS tem por objetivo instituir uma dinâmica de assessoria profissional contínua e sistemática ao NAAF e o Núcleo de Estudos em Agroecologia (Programa Ecoviamão), dentro do processo de desenvolvimento de um curso de formação continuada em Cooperação Indígena e criação de uma unidade Cooperativa Indígena na comunidade Guarani Jata’ ity em Viamão-RS. Enquanto formação continuada, o curso busca constituir um espaço dialógico entre as cosmovisões indígena e não indígena, tendo-se com isso, um processo de apropriação por parte dos sujeitos indígenas sobre os elementos teóricos e práticos inerentes à temática cooperativista. O trabalho de assessoramento se realizará dentro de um processo de parceria que abrange instituições governamentais e não governamentais como a Escola Estadual Indígena de Ensino Fundamental Karai Arandu, a Emater, Cooperativas Univens, Cooperativa de consumidores Girasol, RedeCoop, sob mediação da equipe executora deste projeto. Desta forma, as atividades de assessoria pretendem apoiar a efetivação da proposta do curso no que tange a adequação pedagógica e técnica dentro da formação, criação e incubação da unidade cooperativa indígena ao final do curso, o que deve contribuir para o empoderamento destes sujeitos junto à sociedade em gera e, consequentemente, uma inserção positiva deste seguimento em um processo de desenvolvimento local e regional ancorado na noção de sustentabilidade.

 

Programa de Ensino de Línguas e Literaturas

  • Coordenadora: Daysi da Silva Cesar
  • Edital IFRS Nº 79/2018 – Registro de ações de extensão – Fluxo Contínuo 2019
  • O Programa de Ensino de Línguas e Literaturas (PELL) proporciona cursos de línguas e eventuais atividades relacionadas à literatura, à cultura e às outras artes ao público interno e externo ao Campus Viamão. Atualmente, são oferecidos dois cursos em nível básico de Espanhol e de Inglês, com previsão de continuidade nos níveis subsequentes. Inicialmente estão previstas as atividades: Conversation Club (conversação em inglês) e Tarde Latina (conversação e cultura hispano-americana).

 

Ciranda no Parque

  • Coordenador: Denirio Itamar Marques
  • Edital IFRS Nº 79/2018 – Registro de ações de extensão – Fluxo Contínuo 2019
  • O projeto Ciranda no Parque discorre sobre a possibilidade de desenvolvimento da Educação Ambiental a partir da literatura infantil. A estratégia utilizada será a da proposta de leitura de diferentes livros da literatura infantil, sendo de livre escolha dos alunos participantes, o que após esta leitura será ofertado espaços ludicamente preparados para as discussões acerca das questões ambientais, correlacionando com suas leituras. Para isso, em parceria com o Parque Natural Municipal Sant’Hilaire será organizada a sala de visitantes do Centro de Visitantes e Vivências Ambientais dodo Parques para melhor organização do trabalho. Após esta etapa os participantes irão fazer registros, através de desenhos de suas representações sociais, através da teoria de origem moscoviciana e percepções sociais, através da teoria de Tuan. Acreditamos que, desta forma, as crianças apreendam conceitos básicos para uma melhor compreensão e atuação no meio ambiente, ao mesmo tempo em que participam de uma atividade lúdica, onde também se desenvolve o gosto pela leitura e a habilidade leitora e de interpretação de texto. Busca-se com esta atividades objetivos como a de auxiliar a construção de agentes multiplicadores para a educação ambiental e construção de desejos para a leitura em amigos e familiares e explanando as atitudes ambientalmente corretas para todos em seu entorno, ainda disseminando as percepções do PNMSH.

 

Associação Satélite Prontidão: Resistência e Ancestralidade

  • Coordenadora: Karla dos Santos Guterres Alves
  • Edital IFRS Nº 79/2018 – Registro de ações de extensão – Fluxo Contínuo 2019
  • O Programa ‘Resistência e Ancestralidade’ visa promover ações de ensino, pesquisa e extensão direcionados a um território negro específico de Porto Alegre, o Bairro Rubem Berta, onde se encontra a sede da Associação Satélite Prontidão (ASP). A Associação Satélite Prontidão é um clube social negro com 116 anos e atua promovendo ações socioculturais e de inclusão. A contribuição histórica dos clubes sociais negros faz com que este Programa tenha uma relevância social muito grande como promotor de ações afirmativas para o povo negro em vulnerabilidade social ou exposto ao preconceito estrutural. Para tanto, este Programa se propõe ao desenvolvimento de projetos a partir dos eixos norteadores ‘história e memória’, ‘saúde e assistência social da população negra’ e ‘sociocultural e educacional’. Articulando interdisciplinarmente os projetos, o Programa ‘Resistência e Ancestralidade’ pretende contribuir para o empoderamento do povo preto e a superação dos efeitos históricos do pós-abolição que, até os dias de hoje, colocam a população negra em situação de subalternidade.

 

 Arte no Campus

  • Coordenador: Marcelo da Silva Calheiros
  • Edital IFRS Nº 79/2018 – Registro de ações de extensão – Fluxo Contínuo 2019
  • Para elaboração deste projeto parte-se do pressuposto de que a livre manifestação artística e cultural é parte do processo pedagógico e uma possibilidade para a conjugação dos diferentes saberes, complementando de forma qualificada as atividades curriculares. Assim, o projeto traz como proposta a realização de uma agenda de atividades artísticas e culturais no Campus Viamão, integrando servidores, discentes e comunidade externa. As atividades ocorrerão no formato de oficinas de ilustração/criação, palestras/debates teóricos sobre arte e apresentações/exposições artísticas, buscando suscitar questionamentos sociais e culturais locais e relacioná-los com o campo da arte. Utilizam-se linguagens das artes visuais, artes cênicas, música e dança, entre outras expressões, como instrumentos do processo de ensino e aprendizagem. Deste modo, busca-se aproximar discentes e comunidade externa das problemáticas e peculiaridades que envolvem a arte, bem como estabelecer abordagens críticas a partir de poéticas visuais.

 

Vivência do Mbyá Rekô (Modo de ser Guarani)

  • Coordenador: Carlos Robério Gray Correa
  • Edital IFRS Nº 79/2018 – Registro de ações de extensão – Fluxo Contínuo 2019
  • A realização do projeto Vivências do Mbyá Rekô (Modo de ser Guarani) envolverá a comunidade interna e externa do IFRS – Campus Viamão com a diversidade temática e conceitual da cultura Mbyá Guarani. Serão desenvolvidas ações conjuntas com a comunidade Guarani da Tekoá Jataí’ty (Terra indígena do Canta Galo) e Tekoá Pindó Mirim (Terra indígena de Itapuã) visando auxiliar a promoção, sustentação, difusão e resistência cultural do modo de ser Guarani (Mbyá Rekó) e ao mesmo tempo auxiliar na busca de meios para a geração de renda para a comunidade na afirmação da autonomia do povo Mbyá Guarani sobre suas terras e suas vidas. O projeto projeto Vivências do Mbyá Rekô (Modo de ser Guarani) propõe-se a ser um instrumento, de atuação conjunta com a comunidade da Tekoá Jataí’ty do Canta Galo, no sentido apoiar a divulgação da cultura Mbyá Guarani demonstrando através do Mbyá Rekô, buscando também a afirmação de um conceito de ecoturismo indígena, através de apoio material e humano da comunidade acadêmica do Campus Viamão do IFRS e de seus parceiros, para que esta expressão da cultura Mbyá Guarani possa concretizar-se como um elemento importante na geração de renda e difusão e resistência da cultura Guarani, para a qualificação da vida dentro da Terra Indígena do Cantagalo e de Itapuã. O projeto estará subordinado aos valores culturais propostos pelo Mbyá Rekô (modo de ser Guarani) destas duas terras indígenas.

 

Sou Campus Viamão!

  • Coordenadora: Maria de Fatima Nora Lopes
  • Edital IFRS Nº 79/2018 – Registro de ações de extensão – Fluxo Contínuo 2019
  • “Sou Campus Viamão!” é um projeto do setor de extensão do IFRS – Campus Viamão que surgiu a partir da necessidade da divulgação do campus na sua comunidade em geral, tendo em vista que, a instituição ainda é nova na região, e pelas características da população do município, que historicamente é conhecida como “cidade dormitório” por conta do grande número de pessoas que precisam procurar emprego e instituições de ensino pública em outros municípios da região metropolitana, por conta da falta de oportunidades de qualificação profissional dentro do município. Nossa missão institucional é disponibilizar cursos que atendam as demandas locais. Procurando motivar professores e estudantes a promover a integração do campus com a comunidade externa, o projeto permite a interação do IFRS com as comunidades em geral, proporcionando a recepção dos visitantes em espaço específico (auditório ou sala de aula) com a apresentação de um vídeo institucional, com posterior explanação sobre quais os cursos são oferecidos pelo campus, bem como as formas de ingresso na Instituição.

 

Laboratório de rochas, minerais e solos

  • Coordenador: Claudio Henrique Kray
  • Edital IFRS Nº 79/2018 – Registro de ações de extensão – Fluxo Contínuo 2019
  • O estudo das rochas, minerais e solos está presente em todos os nives de ensino. No IFRS – Campus Viamão esses conteúdos são ministrados nas disciplinas de Fundamentos de geologia e solos no curso de Tecnologia de Gestão Ambiental, na disciplina de Geografia e na disciplina de Solos e gerenciamentos de resíduos no curso Técnico em Meio Ambiente. No laboratório de ciências existem muitas amostras de rochas e solos coletadas em aulas práticas e também doadas por professores e alunos. Atualmente, estas amostras estão armazenadas em caixas de papelão, sem nenhum tipo de identificação ou ordenamento. Por conta desta carência de identificação, professores e alunos desconhecem o acervo litológico que tem um grande potencial como recurso didático, bastando, para isso, que ele seja corretamente identificado, ordenado e gerenciado. Por isso, objetiva-se criar o “Laboratório de rochas, minerais e solos”. Além disso, montar uma experimentoteca de solos. O laboratório e a experimentoteca vão estar a disposição das escolas do município mediante prévio agendamento para visitação e realização de aulas práticas. O espaço também será usado para as aulas de Química, Física e Geografia.

 

Constituição do Observatório do Desenvolvimento Territorial Viamão e entorno

  • Coordenador: Sergio Roberto kapron
  • Edital IFRS Nº 79/2018 – Registro de ações de extensão – Fluxo Contínuo 2019
  • O Observatório do Desenvolvimento Territorial visa constituir um espaço agregador e difusor das informações, dados, produtos, serviços, saberes e formações gerados no âmbito do IFRS Campus Viamão e das demais organizações locais, bem como de diálogo e qualificação da gestão de projetos, ações e empreendimentos de organizações locais. As informações e conhecimentos, sistematizadas em formato de banco de dados e acessível via internet, devem possibilitar uma melhor compreensão coletiva do território, de suas necessidades e potencialidades, nos seus aspectos sociais, econômicos, ambientais e culturais. Além de servir como subsídios, o observatório também busca promover a difusão e capacitação no seu uso, qualificar gestores, novos projetos e ações de organizações locais, individualmente, em parcerias ou redes. Deve constituir-se em um instrumento de promoção da cooperação e de espaços de gestão e governança para o desenvolvimento sustentável nos arranjos produtivos, sociais e culturais locais, através da difusão de conhecimentos e da qualificação de organizações produtivas e associativas de produtores, empreendedores, trabalhadores, povos tradicionais e comunidade em geral. Deverá também ser meio de divulgação e subsídio das atividades de ensino, pesquisa e extensão do IFRS e de integração deste às organizações e dinâmicas do território.

 

Yogando no Campus

  • Coordenadora: Jéssica Serafim Frasson
  • Edital IFRS Nº 79/2018 – Registro de ações de extensão – Fluxo Contínuo 2019
  • Este projeto tem por finalidade, proporcionar a prática de Yoga para os servidores, estudantes e comunidade externa do IFRS – Campus Viamão, trabalhando as técnicas de respiração, meditação e os ásanas (posturas). A proposta que se traz é de utilizar um método concreto de técnicas de Yoga, para uma melhor gestão e aproveitamento de sua energia, melhorias na aprendizagem educacional, socialização entre os sujeitos envolvidos, através de exercícios simples de respiração e relaxamento. Relaxando quando necessário os envolvidos aprendem a controlar o estresse, a despertar sua criatividade e ganhar a autoconfiança que frequentemente é perdida em face à concorrência implacável do mundo atual. As técnicas de Yoga, podem ajudar a balancear as energias, focalizar a atenção, afrouxar as tensões físicas e mentais. O objetivo principal do projeto é proporcionar aos servidores, estudantes e comunidade externa do IFRS – Campus Viamão, bem estar, autonomia, sociabilidade, confiança, respeito por si e pelos colegas e espírito de equipe.

Última atualização em 29/05/2020

Fim do conteúdo